quinta-feira, 5 de setembro de 2019

La Sagrada Família | Barcelona

Para a visita à Sagrada Família nós comprámos o bilhete com visita guiada quando compramos o bilhete para a Casa Museu Gaudí, o bilhete conjunto ficou a 16,50 euros.
A Sagrada Família é a obra mais importante de Gaudí e é o monumento mais visitado de Barcelona. A sua construção começou em 1882 com um estilo neolítico, passado um ano o projeto foi passado para Antoni Gaudí. Ele desenhou um templo excecional e inovador que ao início teria 18 torres, mas ele apenas teve tempo para construir uma antes de morrer. Gaudí faleceu em 1926, deixando, assim, inacabado o seu projeto, mas graças aos planos que deixou, outros artistas conseguiram continuar a sua obra e isto também foi possível graças a doações e visitas, por isso mesmo a sagrada família é um templo expiatório.
Até agora foram construídas 8 das 18 torres idealizadas por Gaudí, 12 das torres seriam dedicadas aos Apóstolos, 4 aos Evangelistas, 1 à Virgem Maria e outra a Jesus. Cada uma das torres será de diferente altura tendo em conta a hierarquia religiosa que representam.
A Sagrada Família tem 3 fachadas simbólicas, a fachada do Nascimento (dedicada ao nascimento de Cristo), a fachada da Paixão (reflete o sofrimento de Jesus durante a crucificação) e a fachada da Glória (é a fachada principal e representará a morte, o Juízo Final, a Glória e o Inferno).
O interior da basílica foi inspirado na natureza, podendo assim ver-se colunas com forma de troncos de árvores que transformam o interior do templo num bosque de pedra.
Sem dúvida que vale muito a pena visitar a Sagrada Família, o seu edifício é extraordinário e o seu interior também não desilude. O interior é de uma tranquilidade e paz tal que me senti extremamente calma e feliz enquanto estive lá dentro. Só é mesmo pena que o edifício esteja em constante construção, mas isso não lhe tira o seu prestígio, de todo.
Espero que tenham gostado e passem pelo "Thirteen" da Carolina para verem a opinião dela acerca da Sagrada Família.

terça-feira, 3 de setembro de 2019

Haul da Maquibeauty | Maquilhagem

Caso vocês não saibam vou-vos dar uma novidade, eu gosto bastante de maquilhagem, não a uso assim muitas vezes mas isso é porque depois tenho de a tirar e eu nisso sou um bocado preguiçosa (mas nunca dormi com maquilhagem). Eu adoro experimentar maquilhagem nova, principalmente máscara de pestanas e bases e, por isso mesmo, resolvi fazer uma compra na Maquibeauty. Toda a minha coleção de maquilhagem, ou quase toda, é comprada online, entre a Maquibeauty e a Primor. Nesta compra eu aproveitei para comprar batom de cieiro, o meu favorito, da Carmex e um óleo de lábios da NYX, produtos de cara, olhos e unhas. Para a cara eu comprei a paleta de contorno e iluminador da Revolution Pro na cor Desert Sky, o bronzeador da Revolution na cor Holiday Romance e o blush da Revolution na cor Rhubarb & Custard. No que toca aos olhos eu resolvi experimentar a máscara de pestanas da Revolution de que já ouvi falar muito bem e para as unhas eu comprei só vernizes da Revolution, até porque são produtos novos e eu estava a precisar de uns vernizes novos. Para os vernizes eu escolhi as cores True, Poison e Lover.
Espero que tenham e digam-me se já experimentaram alguns destes produtos ou se têm alguma curiosidade acerca de algum em especifico! Mais abaixo do post encontram os links para todos os produtos mencionados.



segunda-feira, 2 de setembro de 2019

La Fermata de Provença | Barcelona

O local escolhido para o almoço do segundo dia foi La Fermata de Provença, isto porque nós estávamos cheias de fome e foi dos sítios que mais nos agradou e que era mais perto da Casa Milà. o restaurante pode-se encontrar na Carrer de Provença e os preços variam entre os 4 e os 16 euros.
O La Fermata de Provença foi aberto a 15 de Maio de 2014, sendo a 29 de Abril de 2013 abriu o La Fermata de Sarriá. 
No La Fermata de Provença pudemos experienciar um lugar acolhedor (até porque o espaço é relativamente pequeno) com traços italianos, até porque se trata de comida italianas, e traços de Nova Iorque, principalmente com os detalhes industriais que se pode encontrar no restaurante.
A pizza no La Fermata é vendida ao quilo e tanto se pode comer no restaurante como levar para se comer em casa. Sinceramente a pizza era boa, mas não era nada barata, pelo menos pelo que estou habituada em Braga. Tendo dito isto não é preciso muita para uma pessoa ficar satisfeita e se vocês gostarem de comida italiana e estiverem pela zona não fazem mal nenhum em passarem por lá.
Espero que tenham gostado e passem pelo "Thirteen" da Carolina para verem a opinião dela acerca do La Fermata de Provença.

quinta-feira, 29 de agosto de 2019

Casa Milà - La Pedrera | Barcelona

A seguir ao Park Güell nós decidimos seguir para o Passeig de Gràcia e visitar a Casa Milà, também conhecida como La Pedrera. Devo dizer que Passeig de Gràcia é uma avenida surpreendente, cheia de lojas, em que as predominantes, na avenida principal, são as de luxo. Em 1900 esta avenida era a mais importante em toda a Barcelona e foi nesta avenida que começaram a surgir os edifícios mais impressionantes, os melhores teatros e cinemas e as lojas, restaurantes e os cafés mais exclusivos. 
A Casa Milà é um edifício que foi desenhado pelo arquiteto catalão Antoni Gaudí e foi construída entre 1905 e 1907.
Foi construída a pedido de Roger Segimon de Milà e em 1984 foi declarada como Património da Humanidade pela UNESCO. Em 1996 o edifício foi aberto ao público e desde 2013 que o proprietário da Casa Milà é a base Catalonia La Pedrera, que é responsável pela organização de exposições, atividades e visitas. Em 2019 tem apenas um morador permanente.
O edifício não possui quaisquer linhas retas e parece desafiar o conceito de arquitetura convencional. O aspeto mais impressionante é a cobertura, com uma aparência quase lunar ou de sonho. A Casa Milà foi o predecessor de alguns edifícios com uma aparência biomórfica semelhante.
Sem dúvida que é um edifício que vale muito a pena visitar, nem que seja só pelo aspeto arquitetónico. A cobertura tem uma vista fantástica e é diferente de todos os edifícios que eu já visitei. Nós tivemos que optar entre a Casa Milà e a Casa Batlló, se bem que também gostava de visitar a Casa Batlló tivemos que escolher porque não dava para visitarmos as duas. Devo dizer que não me arrependi de todo por ter escolhido a Casa Milà, até porque, assim, para a próxima posso ir visitar a Casa Batlló.
Espero que tenham gostado e passem pelo "Thirteen" para verem a opinião da Carolina acerca da Casa Milà.

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Casa Museu Gaudí | Barcelona

Dentro do Park Güell pudemos encontrar a Casa Museu Gaudí, aqui encontramos objetos pessoais e algumas obras, tanto de Gaudí como de alguns dos seus colaboradores. Antoni Gaudí morou nesta casa durante quase 20 anos (entre 1906 e 1925).
A casa foi desenhada por Francesc Berenguer e foi comprada por Antoni Gaudí em 1906. Gaudí mudou-se para lá com o seu pai (Francesc Gaudí i Serra) e a sua sobrinha (Rosa Egea Gaudí). Gaudí permaneceu nesta casa até se mudar para a oficina da Sagrada Família.
O museu é rodeado por um jardim, de onde é possível ver uma pérgula (galeria, para passear, construída em forma de ramada) formada por arcos parabólicos desenhada por Gaudí e peças oriundas de outras obras do arquiteto (tal como Casa Vicens, Casa Milà, Casa Batlló, Sagrada Família, etc.).
O museu tem 3 andares, sendo que nos rés-do-chão pudemos ver mobiliário desenhado por Gaudí para as Casas Batlló e Calvet e, ainda, uma sala dedicada ao casal Chiappo Arietti (casal que comprou a casa depois da morte de Gaudí). No primeiro piso existe o escritório e quarto de Gaudí, mobiliário e pavimento de mosaicos hidráulicos desenhados para a Casa Milà e, ainda, uma sala dedicada ao pintor e desenhador Aleix Clapés. No segundo piso encontra-se a Biblioteca Enric Casanelles que não se encontra incluída na visita ao museu.
Vale a pena visitar, nem que seja só para conhecer como Gaudí viveu durante uma parte da sua vida e é uma visita relativamente rápida, e já que estão no parque vale a pena passarem por lá.
Espero que tenham gostado e passem pelo "Thirteen" da Carolina para verem a opinião dela acerca da Casa Museu Gaudí.

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Park Güell | Barcelona

O segundo dia de Barcelona começou cedo e começou pelo Park Güell. Já agora fica em jeito de dica, se querem ir ao Park Güell é melhor irem cedo, porque senão ficam a maior parte do tempo em filas, seja para tirar as fotos clássicas do parque ou para entrar nos sítios emblemáticos do parque. 
O Park Güell é um grande parque urbano que foi criado com o pensamento de se transformar numa urbanização. Foi concebido por Antoni Gaudí e encomendado por Eusebi Güell. O parque foi construído entre 1900 e 1914, sendo que foi vendido ao Município de Barcelona em 1922 e inagurado como parque público em 1926.
Em 1969 o parque foi nomeado como Monumento Histórico Artístico de Espanha e em 1984 foi nomeado, pela UNESCO, como Património da Humanidade. O parque encontra-se dentro da etapa naturalista (década de 1900) de Antoni Gaudí.
Dentro do parque nós podemos ver pavilhões, a escadaria (com o famoso lagarto), a sala hipostila, a praça oval (que possui uma vista panorâmica sobre a cidade de Barcelona), as estradas, os pórticos, os viadutos e o calvário.
Se vocês pensam em visitar Barcelona sem dúvida que o parque tem de estar no vosso itinerário, as vistas, os pormenores de arquitetura presentes em todo o parque sem dúvida que merecem uma visita. O parque tem transporte próprio para o local, só tem é de se apresentar o bilhete no autocarro do parque que ele leva-nos logo ao sítio.
Espero que tenham gostado e passem também pelo "Thirteen" para verem a opinião da Carolina acerca do Park Güell.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Palau de la Musica | Barcelona

O segundo sítio visitado no primeiro dia da nossa visita a Barcelona foi o Palácio da Música Catalã e, já agora, um indispensável na nossa viagem.
O palácio foi construído entre 1905 e 1908 para servir de sede ao Coro Catalão e é uma das salas de concertos mais concertos de todo o mundo e um dos monumentos que melhor representa o modernismo catalão.
A sala de concertos do palácio é dotada de uma excelente acústica, sendo este o grande motivo de grandes artistas terem atuado nesta sala.
A nossa visita guiada começou com um vídeo sobre o Palácio, com a apresentação do seu passado, do presente e do seu papel importante na sociedade de Barcelona.
A etapa seguinte foi a visita à sala de concerto, sem dúvida a parte mais esperada. Esta sala é um espaço luminoso e colorido composto por vitrais.
A sala encontra-se decorada com bustos, relevos e esculturas, de modo a criar o ambiente ideal para se apreciar a música ouvida.
A visita guiada pelo palácio termina com a passagem pela sala de descanso (Sala Lluís Millet), que é dotada de um pequeno terraço com colunas decoradas com mosaicos.
O preço de entrada de um adulto é de 20 euros, para estudantes é de 11 euros, para maiores de 65 anos é de 16 euros e para crianças menores de 10 anos a entrada é gratuita. Eu aproveitei o facto de ainda ter o cartão de universidade para entrar com o preço de estudante.
Sem dúvida que aconselho a passagem pelo palácio, mesmo que não apreciam música ou a história desta, só pelo edifício e a sua historia vale a pena.
Espero que tenham gostado! Aproveitem e passem pelo "Thirteen" da Carolina para espreitarem também a opinião dela acerca do palácio.

Seguidores